o movimento do entre pelo tempo e pelo espaço, onde cada palavra é figura esburacada, e o rosto de ninguém expande ao infinito.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Acidente de cor desgovernada em palavra passageira

(Parceria de Fanfarrão, Ilhabella e o lápis mágico)

Maracujá escorregou
Inefável bate asco
Bradando girafas
Saculejo de coco
Arrasta o silêncio.

Chute de ser
Dói devir,
Ir.

Naturalmente eu,
Nós,
Nunca tu.

Lhes

Mas vosso,
Aquele ou aquilo,
Perene nosso,
Constante tu.

Cheiroso maracujá
Gordo inefável
Asco colorido
Amarelo girafa
Completo coco
Bobo silêncio

Chute, devir.

Um comentário:

  1. cada vez que leio, me impressiono mais com as palavras-poéticas e efêmeras.

    ResponderExcluir